Andrei Barros Correia em 30/08/14

Tudo que recorre aos adjetivos novo e moderno, como qualificação positiva, leva-me à desconfiança. Identificar o novo ao melhor é uma maneira de raciocinar na fraude, porque não há relação de necessidade entre o novo e o melhor. Isto é somente a indução discursiva para massas. O novo é algo constante, porque o presente inexiste, […]

Continue lendo sobreNova política é direitismo messiânico.

Os números, todos sabem, dizem o que quisermos que eles digam. A direita, por outro lado, sente enorme dificuldade de abrir-se na sua coloração ideológica própria, numa espécie de vergonha mal-disfarçada. Precisa então construir uma narrativa que pareça ideologicamente neutral, ou seja, que remeta apenas a aspectos gerenciais, supostamente objetivos, de uma realidade que é […]

Continue lendo sobreA ocultação da ideologia por meio da objetividade fraudulenta. Narrativa da direita.

Não pretendo avançar até conclusões, apenas indicar algo interessante e sugerir possibilidades. Fato é que reformados pentecostais e neo-pentecostais tornam-se, mais e mais, filo-judaicos. Há poucos dias, aconteceu algo notável, em São Paulo: o conhecido pastor Edir Macedo, dirigente de uma igreja neo-pentecostal, inaugurou um imenso templo que se pretende réplica do abatido de Salomão, […]

Continue lendo sobreO Messias, ou veio, ou ainda virá, ou não virá. As proposições são reciprocamente excludentes…