Andrei Barros Correia em 30/10/14

Um tribunal de segunda instância de Bolonha desnudou completamente uma farsa judiciário-mediática que comoveu a pequena burguesia brasileira por três anos. Arrisco-me a afirmar ter sido a maior de todas, a mais perversa, a mais celebrada farsa com finalidades políticas já produzida no Brasil. Um dos réus da ação penal 470 – o tal mensalão […]

Continue lendo sobreMensalão: a ruína de uma farsa.

Andrei Barros Correia em 22/10/14

A proposição cartesiana, a estabelecer relação causal entre pensar e existir, sempre me pareceu alguma ironia, porque não me permito achar Descartes tolo. Acresce que ela é perfeitamente inversível, pois existo, logo penso, faz também sentido, à partida e sob perspectiva lógica formal. Descartes era muito antropocêntrico, como seu século, e assim toda sua ontologia. […]

Continue lendo sobreCompro, logo existo.

Andrei Barros Correia em 01/10/14

A pequena-burguesia brasileira foi levada a crer que é importante, ou seja, que é o centro das atenções, o ponto em torno a que tudo gira, que suas opiniões são importantes e principalmente que ela tem algo relevante a dizer sobre tudo, como sói acontecer com Caetano Veloso. Essa obra de ilusionismo deve-se à imprensa […]

Continue lendo sobreO espelho de Narciso e o suicídio involuntário.