Divagação

Severiano Miranda em 31/01/18

… “E valeria a pena, afinal, Após as chávenas, a geléia, o chá, Entre porcelanas e algumas palavras que disseste, Teria valido a pena Cortar o assunto com um sorriso, Comprimir todo o universo numa bola.” … T. S. Eliot. Então no último dia de janeiro de um hoje longínquo 2015 eu publiquei no Facebook […]

Continue lendo sobreA canção de amor de J. Alfred Prufrock.

Andrei Barros Correia em 01/12/17

A regressão lenta e gradual da hegemonia estadunidense é o processo mais perigoso que já viveu a humanidade. São comuns as comparações entre os impérios romano e estadunidense, no que têm de paralelismos nas suas criações, apogeus e fases de declínio, mas o que se prefigura agora é diferente, para além das diferenças óbvias que […]

Continue lendo sobreBrasil a caminho de ser Líbia.

Andrei Barros Correia em 01/06/17

O processo político brasileiro atual não oferece a previsibilidade que os costumeiros analistas tentam apreender e expor. Ele só tem alguma previsibilidade no âmbito macro, se olhadas as coisas mais ao de longe, mirando-se as linhas mais gerais, nos seus aspectos geopolíticos, ou seja, nas articulações com interesses maiores e externos. No plano micro, aquele […]

Continue lendo sobreO caos é uma face visível da superestrutura.

Andrei Barros Correia em 09/05/17

O financismo globalista venceu as eleições presidenciais francesas por conta da precisa atuação da imprensa corporativa, que se alinhou explicitamente ao candidato Emmanuel Macron e usou as estratégias corretas à vista do público destinatário de sua narrativa. Chamaram-no centrista e isto foi ponto central. De certa forma, a disputa concentrada no campo direitista gerou uma necessidade de se […]

Continue lendo sobreAs construções do interdito e do menos ruim: Le Pen e Macron.

Andrei Barros Correia em 25/04/17

É comum haver surpresa com a cooptação dos intelectuais provenientes da academia pelos think tanks mantidos pelo capital financeiro deslocalizado. Mas, esta cooptação não deveria surpreender, quando se percebem os locais social e psíquico do intelectual de academia. É terreno propício, desde a origem, na verdade. Por causa das eleições presidenciais francesas, o assunto volta-me à […]

Continue lendo sobreA não traição dos intelectuais.

Andrei Barros Correia em 02/03/17

É facílimo acostumar-se à liberdade de costumes e acha-la coisa natural, como a erva que brota sem aparentes semeadura e rega. Contudo, a liberdade de costumas é coisa bem outra, é obtida em processos tão lentos quanto penosos e, o que poucos lembram, é reversível. As classes médias são, em sua grande maioria, polarizadas por […]

Continue lendo sobreA extrema direita é um problema da direita.

Andrei Barros Correia em 13/02/17

Lentamente, surgem aqui e acolá pessoas encantadas com a inteligência de Piketty, que se põem a escrever sobre desigualdades. Uns piquetizam a mencionar-lhe o nome, outros, como é comum, principalmente na igreja acadêmica, fazem da omissão nos créditos sua originalidade. De qualquer forma que seja, é bom que se fale do que escreve Piketty e […]

Continue lendo sobreControle social segmentado.

Andrei Barros Correia em 03/02/17

Não é simples o sistema que subjaz ao estado de aceitação pelas massas de medidas que pioram evidentemente suas situações social e econômica. Há uma narrativa bem construída com técnicas consagradas de engenharia psico-social, que prepara o terreno para que as pessoas – em maiores e menores proporções, consoante suas porosidades à imprensa corporativa – […]

Continue lendo sobreA outra face da narrativa meritocrática: a culpa.

Andrei Barros Correia em 18/01/17

Os mitos da racionalidade objetiva e do controle e previsibilidade integral dos processos históricos, políticos e econômicos levam muitos à perplexidade, porque a história insiste em desautorizar o sacrifício em homenagem a estas crenças. Esses mitos seriam atributos inerentes aos detentores do poder, sendo indiferente que se acredite terem poder por terem essas qualidades ou, antes, […]

Continue lendo sobreCondutores conduzidos.

Andrei Barros Correia em 23/12/16

A afirmação do título não chega a ser uma contradição, senão algo aparentemente contraditório apenas à partida, antes de se pensar um pouco. O fato é que explosões são meios eficazes de extinguir incêndios em ambientes fechados, por causa do súbito consumo do oxigênio disponível. Essa forma de extinção pode ser extrapolada para os processos […]

Continue lendo sobreO incêndio extingue-se quando se extingue o oxigênio.