Poesia

Severiano Miranda em 31/01/18

… “E valeria a pena, afinal, Após as chávenas, a geléia, o chá, Entre porcelanas e algumas palavras que disseste, Teria valido a pena Cortar o assunto com um sorriso, Comprimir todo o universo numa bola.” … T. S. Eliot. Então no último dia de janeiro de um hoje longínquo 2015 eu publiquei no Facebook […]

Continue lendo sobreA canção de amor de J. Alfred Prufrock.

Severiano Miranda em 27/03/16

Santa Teresa de Ávila. Vivo sem viver em mim, E tão alta vida espero, Que morro porque não morro. (…) Ai que longa é esta vida! Que duros estes desterros! Este cárcere, estes ferros Onde a alma está metida. Só de esperar a saída Me causa dor tão sentida, Que morro porque não morro. Ai, […]

Continue lendo sobreVivo sem viver em mim.

Andrei Barros Correia em 20/02/16

Meu coração tem um sereno jeito E as minhas mãos o golpe duro e presto, De tal maneira que, depois de feito Desencontrado, eu mesmo me contesto Se trago as mãos distantes do meu peito É que há distância entre intenção e gesto, E se o meu coração nas mãos estreito Me assombra a súbita […]

Continue lendo sobreMeu coração tem um sereno jeito.

Severiano Miranda em 02/11/15

  HOME no one leaves home unless home is the mouth of a shark you only run for the border when you see the whole city running as well your neighbors running faster than you breath bloody in their throats the boy you went to school with who kissed you dizzy behind the old tin […]

Continue lendo sobre“Home” por Warsan Shire.

Andrei Barros Correia em 28/05/15

Posts relacionados:Sem posts relacionados.

Continue lendo sobreValsa para uma menininha, de Toquinho e Vinicius.

Outro dia, aconteceu uma dessas situações inusitadas, dessas que a oportunidade de estudar fora do próprio país proporcionam. Tenho como companheiros de classe, alguns colombianos, um italiano, e outros tantos brasileiros. O caso, é que em um desses intervalos entre classes, quando acontecem as conversas mais descontraídas, o brasileiro estava falando sobre um cappuccino, de […]

Continue lendo sobreCafé… Colombiano, italiano, brasileiro… Ou com Poesia…

Andrei Barros Correia em 19/03/12

De tudo ao meu amor serei atento Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto Que mesmo em face do maior encanto Dele se encante mais meu pensamento. Quero vivê-lo em cada vão momento E em seu louvor hei de espalhar meu canto E rir meu riso e derramar meu pranto Ao seu pesar […]

Continue lendo sobreSoneto de fidelidade, de Vinicius de Moraes.

Andrei Barros Correia em 02/11/11

Utilitaristas, não vejam… Posts relacionados:Os amigos de Hitler, um texto de Eduardo Galeano

Continue lendo sobreEl derecho al delirio, de Eduardo Galeano.

Andrei Barros Correia em 29/10/11

Acabo de assistir As sombras de Goya, um filme excelente. Não vou falar dos atores, que são bons e somente poderiam sê-lo. Um filme bom deve ter bons atores e até pode ter deles apenas razoáveis. Enfim, a ênfase em atores é superficialidade de quem não quer pensar e detém-se em nomes, ou seja, quase […]

Continue lendo sobreAs sombras de Goya. Filme de Carrière e Forman.

Andrei Barros Correia em 19/09/11

Por Daniel Miranda Castro   Tanto tempo, quanto tempo Quase penso Da inércia, nasço tenso No processo, não me aguento Logo travo o andamento Com o sonho me contento Sinto ser muito propenso A não expor meu rendimento Falta um toque de bom senso Nos tratores truculentos “Pense mais no seu sustento” “Pense menos no […]

Continue lendo sobreO diário lacrado?