Brasil

Andrei Barros Correia em 01/12/17

A regressão lenta e gradual da hegemonia estadunidense é o processo mais perigoso que já viveu a humanidade. São comuns as comparações entre os impérios romano e estadunidense, no que têm de paralelismos nas suas criações, apogeus e fases de declínio, mas o que se prefigura agora é diferente, para além das diferenças óbvias que […]

Continue lendo sobreBrasil a caminho de ser Líbia.

Andrei Barros Correia em 04/08/17

A classe média é o eixo de transmissão do poder. Não é ela que toma as grandes decisões, evidentemente, mas é ela que permite executar os planos dos reais detentores do poder; é instrumental, enfim. Isso deve-se, em parte, ao fato de ocupar os postos chaves da burocracia estatal. Nesta classe estão os formuladores de […]

Continue lendo sobrePor medo e ignorância.

Andrei Barros Correia em 01/06/17

O processo político brasileiro atual não oferece a previsibilidade que os costumeiros analistas tentam apreender e expor. Ele só tem alguma previsibilidade no âmbito macro, se olhadas as coisas mais ao de longe, mirando-se as linhas mais gerais, nos seus aspectos geopolíticos, ou seja, nas articulações com interesses maiores e externos. No plano micro, aquele […]

Continue lendo sobreO caos é uma face visível da superestrutura.

Andrei Barros Correia em 10/04/17

O grande dilema filosófico da classe dominante brasileira é se os pobres deveriam ser escravizados ou, antes, todos eliminados fisicamente. É uma dúvida que seria menos atroz se tivessem rudimentos de economia. Essa dúvida leva a que vagueiem a expressar sua essencial demofobia incoerentemente. Não me entrego ao grande luxo da surpresa, real ou fingida, […]

Continue lendo sobreDemofobia. Ou, o anseio de que fossem ao menos invisíveis.

Andrei Barros Correia em 03/04/17

Uma conversa entre Michel Foucault e Gilles Deleuze, ocorrida em 1972, foi recolhida no volume intitulado Microfísica do Poder. Em determinado momento, Deleuze diz algo interessante: Se se considera a situação atual, o poder possui forçosamente uma visão total ou global. Quero dizer que todas as formas atuais de repressão, que são múltiplas, se totalizam […]

Continue lendo sobreExpurgos e ganho de produtividade.

Andrei Barros Correia em 02/03/17

É facílimo acostumar-se à liberdade de costumes e acha-la coisa natural, como a erva que brota sem aparentes semeadura e rega. Contudo, a liberdade de costumas é coisa bem outra, é obtida em processos tão lentos quanto penosos e, o que poucos lembram, é reversível. As classes médias são, em sua grande maioria, polarizadas por […]

Continue lendo sobreA extrema direita é um problema da direita.

Andrei Barros Correia em 03/02/17

Não é simples o sistema que subjaz ao estado de aceitação pelas massas de medidas que pioram evidentemente suas situações social e econômica. Há uma narrativa bem construída com técnicas consagradas de engenharia psico-social, que prepara o terreno para que as pessoas – em maiores e menores proporções, consoante suas porosidades à imprensa corporativa – […]

Continue lendo sobreA outra face da narrativa meritocrática: a culpa.

Andrei Barros Correia em 18/01/17

Os mitos da racionalidade objetiva e do controle e previsibilidade integral dos processos históricos, políticos e econômicos levam muitos à perplexidade, porque a história insiste em desautorizar o sacrifício em homenagem a estas crenças. Esses mitos seriam atributos inerentes aos detentores do poder, sendo indiferente que se acredite terem poder por terem essas qualidades ou, antes, […]

Continue lendo sobreCondutores conduzidos.

Andrei Barros Correia em 23/12/16

A afirmação do título não chega a ser uma contradição, senão algo aparentemente contraditório apenas à partida, antes de se pensar um pouco. O fato é que explosões são meios eficazes de extinguir incêndios em ambientes fechados, por causa do súbito consumo do oxigênio disponível. Essa forma de extinção pode ser extrapolada para os processos […]

Continue lendo sobreO incêndio extingue-se quando se extingue o oxigênio.

Andrei Barros Correia em 11/11/16

É relativamente fácil – e verdadeiro na essência – enunciar que as pessoas são levadas a agirem politicamente contra si mesmas por conta dos efeitos da propaganda que se convencionou chamar jornalismo. É demasiado óbvio, mesmo. Contudo, não é tão óbvio com qual narrativa isso foi atingido. Ou seja, o agente é a imprensa e […]

Continue lendo sobreConvenceram-te de que eras rico.