Imprensa

Andrei Barros Correia em 29/02/16

Há um processo nítido de golpe de Estado, levado a cabo pelo conúbio entre a imprensa e o judicial. O segundo faz tudo para derrubar a Presidenta da República a partir de qualquer argumento, por mais pueril que seja, além de tentar a humilhação do ex-Presidente Lula e sua interdição política, também a partir de […]

Continue lendo sobreVariante da síndrome de Estocolmo.

O capital serve-se da imprensa como se serve da repressão policial. São meios de ilusão e controle social que devem inicialmente impedir a tomada de consciência da luta de classes e, secundariamente, reprimir violentamente qualquer ameaça ao patrimônio. O discurso é mais eficaz, historicamente. A imprensa, assim como o poder judicial, apropriou-se sagazmente do mito […]

Continue lendo sobreO escravo não deve perceber a escravidão. Por isso a imprensa nega a luta de classes.

Andrei Barros Correia em 30/10/15

Além das experiências e posteriores teorizações dos professores Roger Sperry e Michael Gazzaniga com secção dos corpos calosos e suas assombrosas consequências em termos de consciência e vontades autônomas, as investigações do doutor Stanley Milgram parecem-me o que há de mais interessante em termos de humano. O doutor Milgram elaborou o experimento em obediência à […]

Continue lendo sobreO dr. Stanley Milgram tem algo a ensinar ao contra-golpe.

Andrei Barros Correia em 01/10/15

O golpe de estado atualmente tentado no Brasil, contra o governo eleito legitimamente, segue em ritmo frenético e, por isso mesmo, confuso. A pressa constantemente tem por consequência a confusão, o que pode ser bom ou ruim estrategicamente, a depender das habilidades dos agitadores e operadores. É fundamental dizer claramente que este processo golpista – […]

Continue lendo sobrePorque o golpe está em regime de urgência.

Andrei Barros Correia em 24/06/15

A imprensa tornou-se o maior poder dos países ocidentais, mais poderosa do que a legislatura, o executivo e o judiciário…precipitação e superficialidade são a doença psíquica do século XX e mais do que em qualquer outro sítio é na imprensa que tal doença se reflete. Alexander Soljenítsin   Incapaz de vencer eleições presidenciais nos últimos […]

Continue lendo sobreTerra arrasada.

Os números, todos sabem, dizem o que quisermos que eles digam. A direita, por outro lado, sente enorme dificuldade de abrir-se na sua coloração ideológica própria, numa espécie de vergonha mal-disfarçada. Precisa então construir uma narrativa que pareça ideologicamente neutral, ou seja, que remeta apenas a aspectos gerenciais, supostamente objetivos, de uma realidade que é […]

Continue lendo sobreA ocultação da ideologia por meio da objetividade fraudulenta. Narrativa da direita.

Andrei Barros Correia em 06/07/14

Primeiramente, deve-se dizer que a imprensa mainstream tem lado, trabalha para os interesses plutocráticos e não leva a sério a tolice da imparcialidade. Não é indústria de divulgação de fatos, mas de construção de discursos de suporte político dos grupos que defende. A imprensa mainstream não conhece realidade e não trabalha com qualquer aspecto de […]

Continue lendo sobreManipulação mediática.

Andrei Barros Correia em 13/05/14

O espetáculo mais feio que o gênero humano pode dar, antes da guerra aberta, é o linchamento. É uma forma de ação direta e, portanto, muito sedutora para as massas, amantes perpétuas do imediato. Essa forma bárbara de se unirem várias pessoas em torno a objetivo comum renasceu no Brasil. E renasceu, deve-se dizê-lo, porque […]

Continue lendo sobreLinchamento. A imprensa apropriou-se da objetividade manipuladora.

Antes de qualquer coisa, convém uma pequena advertência. Conversando com um amigo sobre o segundo pilar apontado no título, ouvi que Cabo Anselmo lembrava imediatamente delação. Sei bem disso, mas a referência a Anselmo, como inspirador de certo discurso, não tem a ver com seu caráter delator, mas com a incitação irresponsável a um esquerdismo […]

Continue lendo sobreOs três pilares do golpe: udenismo, esquerdismo Cabo Anselmo e judiciário.

Pode-se dedicar todo o tempo do mundo a lateralidades e a coisas acessórias quando se trata de falar do Brasil, mas o principal é a hedionda concentração de riquezas. Hoje, os 10% mais ricos detém 42% de toda a riqueza do país. Isso é quase sem precedentes e nenhuma abordagem que se queira séria passa […]

Continue lendo sobreA imprensa, a pregação para os convertidos, a cólera e o golpe.