Literatura

Severiano Miranda em 31/01/18

… “E valeria a pena, afinal, Após as chávenas, a geléia, o chá, Entre porcelanas e algumas palavras que disseste, Teria valido a pena Cortar o assunto com um sorriso, Comprimir todo o universo numa bola.” … T. S. Eliot. Então no último dia de janeiro de um hoje longínquo 2015 eu publiquei no Facebook […]

Continue lendo sobreA canção de amor de J. Alfred Prufrock.

Severiano Miranda em 02/11/15

  HOME no one leaves home unless home is the mouth of a shark you only run for the border when you see the whole city running as well your neighbors running faster than you breath bloody in their throats the boy you went to school with who kissed you dizzy behind the old tin […]

Continue lendo sobre“Home” por Warsan Shire.

Andrei Barros Correia em 29/05/13

Um texto de Alcides Moreira da Gama O amigo e mestre Andrei solicitou-me escrever algo sobre Machado de Assis. Nos tratamos mutuamente assim: mestre. Mas o discípulo sou eu. É um desafio e tanto. E, sinceramente, não sei se sou capaz. Mas, mesmo cônscio disso, vá lá, aceitei o desafio. O que dizer sobre Machado? […]

Continue lendo sobreUma conversa com Machado. Por Alcides Moreira da Gama.

Andrei Barros Correia em 20/11/10

Olívia disse-me, hoje pela manhã, que Mia Couto estaria em João Pessoa, no Espaço Ciência, às três da tarde. Lamentavelmente, ela não poderia ir, devido a essa prisão que é o trabalho. Eu, depois de verificar que não havia urgências, assumi o risco de acumular o trabalho para fazê-lo na segunda feira, ou mesmo no […]

Continue lendo sobreMia Couto em João Pessoa.

Já faz uns dias que terminei de ler Conversações com Dmitri e outros fantasmas, mais uma oferta preciosa de Miguel. Antes, nada tinha lido de Agustina Bessa Luís, embora me recorde de ter visto um e outro volume da autora. É facílimo e seguro de recomendar, porque é um bom livro. Despertou-me imensa curiosidade pela […]

Continue lendo sobreConversações com Dmitri e outros fantasmas, de Agustina Bessa Luís.

Andrei Barros Correia em 05/11/10

Existe o “Yes man”. Todos sabem quem é e o mal que causa. Mas existe o May be man. E poucos sabem quem é. Menos ainda sabem o impacto desta espécie na vida nacional. Apresento aqui essa criatura que todos, no final, reconhecerão como familiar. O May be man vive do “talvez”. Em português, dever-se-ia […]

Continue lendo sobreO may be man, por Mia Couto.

Severiano Miranda em 27/10/10

José Luís Peixoto em seu livro “Uma Casa na Escuridão*”, escreveu isso que Antônio Abujamra cita, não que seja uma citação ruim, afinal de contas foi a partir dela que eu cheguei no José Luis. Mas afinal sabendo-se que na verdade, a citação “completa” fala mais de amor do que de filosofia e/ou desengano, o […]

Continue lendo sobreComo sacanear um poema.

Andrei Barros Correia em 25/10/10

Eu sugiro aos entreguistas brasileiros, até porque está em linguagem bastante direta e assim não lhes doem os miolos, como acontece quando deparam-se com alguma sutileza maior ou com poesia. “A mim parece-me bem. Privatize-se Machu Picchu. (…) privatize-se a Capela Sistina, privatize-se o Partenon (…) privatize-se o mar e o céu, privatize-se a água […]

Continue lendo sobreDe Saramago para quem o quiser ler.

Exorcismo Carlos Drummond de Andrade Das relações entre topos e macrotopos Do elemento suprassegmental, Libera nos, Domine. Da semia Do sema, do semema, do semantema, Do lexema, Do classema, do mema, do sentema, Libera nos, Domine. Da estruturação semêmica, Do idioleto e da pancronia científica, Da realibilidade dos testes psicolingüísticos, Da análise computacional da estruturação […]

Continue lendo sobreExorcismo, de Carlos Drummond de Andrade. Uma ode anti-obscurantista?

Andrei Barros Correia em 06/10/10

Tenho dois livros de constantes leituras, daquelas a que sempre se volta, livros que deixo ao lado da rede. Claro que afirmando-o, exponho uma de minhas manias e o limiar das minhas ignorâncias, mas é exposição pouca de talvez ignorância muita. São a Rebelião das Massas, de José Ortega y Gasset e As Memórias e […]

Continue lendo sobreO talentoso Pacheco.