O grande dilema filosófico da classe dominante brasileira é se os pobres deveriam ser escravizados ou, antes, todos eliminados fisicamente. É uma dúvida que seria menos atroz se tivessem rudimentos de economia. Essa dúvida leva a que vagueiem a expressar sua essencial demofobia incoerentemente.

Não me entrego ao grande luxo da surpresa, real ou fingida, frente ao que conheço. Mas, ainda me impressiono, aqui e acolá, com as duas vertentes narrativas principais da demofobia: a clara e a disfarçada. Não sei realmente qual a mais perversa, até porque as duas variantes costumam ser usadas alternadamente pelas mesmas pessoas.

Semana passada tive de escutar uma estória interessante, da vertente disfarçada, que agride mais pela hipocrisia subjacente. Fato é que um fulano disse estar frequentando um parque público da cidade e que havia, gratuitamente, aulas de educação física para os presentes. Atividades específicas para velhos, atividades para jovens. Enfim, alguns educadores físicos à disposição dos frequentadores.

A surpresa do meu interlocutor residia exatamente em que as tais aulas públicas, em um espaço público, funcionavam! Ou seja, eram algo desejável, a custo nenhum. A partir daí, comecei a esperar as objeções e não as esperei somente dos tipos que dizem ser fácil fazer coisas boas. Não sabia exatamente qual objeção viria relativamente a algo que era percebido como bom.

E a objeção veio pelo viés liberal puro, pelo viés privatista. Disse o civilizado que aquilo devia custar muito à municipalidade. Ora, primeiramente isso não custa muito à municipalidade e, segundamente, mesmo que custasse era algo bom. E, em terceiro lugar, insisti, há coisas muito mais custosas e que não promovem o convívio e o bem estar em espaços públicos.

Mas, a insistência no custo persistiu, o que me fez antever o que viria a seguir, pois a estas alturas ficava claro. Meu interlocutor disse: deviam cobrar algo para entrar no parque, algo que fosse ao menos simbólico. Essa proposição é de uma estupidez tamanha que as minhas feições devem ter denunciado o que pensei. Achei que fosse válido ser honesto e redargui: o acesso a praças públicas não é cobrado em parte nenhuma do mundo.

Dizer que algo funciona de uma maneira uniforme no resto do mundo costuma ser eficaz para calar os brasileiros de classe dominante, cuja única vergonha real é a de falar inglês com sotaque. Como vivem a dizer que na Europa isso é assim, nos EUA isso é assado, costumam calar-se quando se diz que algo está exatamente como nestes lugares.

Mas, eis que o discurso demofóbico passou a basear-se nas duas vertentes: a explícita e a disfarçada. Enfatizou meu interlocutor que a cobrança que ele propunha era de um valor simbólico. Ora, se é simbólico, para que cobrar? Afinal, o que é um valor simbólico, o que ele simboliza? Feitas estas perguntas, meu interlocutor desagradou-se, o que era previsível, pois teria de pensar, ou ser sincero até o fim.

Essa estória do valor simbólico é a desonestidade intelectual que quase sempre se insinua impunemente. Se é simbólico no sentido de módico, não tem qualquer sentido como fonte de recursos para custear os serviços oferecidos ao público. Se não é simbólico no sentido de módico, visa a afastar os pobres, pura e simplesmente.

E assim, percebe-se o que é: não tem nada de simbólico como barato, porque nada é barato para pobres e miseráveis e, por outro lado, é sim simbólico, porque simboliza que o espaço pretensamente público é, na verdade, privado. A classe dominante brasileira abomina espaços públicos, porque os pobres podem estar neles, pelo menos potencialmente.

O pobres devem ser invisíveis e, preferencialmente, serem eles mesmos a optarem pela invisibilidade, para que a classe dominante não seja compelida a os mandar retirar e tanger para longe, violentamente. Ter de usar destas violências, inicialmente, fere os escrúpulos desta gente, embora não recuem se for necessário.

Eis que se criou um espaço público na cidade, que tem uma espécie de lago. E, como era evidente num lugar muito quente, as pessoas passaram a usar o espaço público e a banhar-se no lago. Um amigo contou-me as reações de asco de espécimes da classe dominante com os banhos dos frequentadores do espaço público. Viram nos banhos falta de educação!

Não é de educação que se cuida, que essa gente nem na tem, nem se preocupa muito com isso. O problema é percebido visualmente a partir de dois aspectos: a quantidade de gente no local e a cor das peles das pessoas. Se o lago estava repleto de gente a banhar-se, a pular, a mergulhar, a espalhar água e se todos ou quase todos eram de morenos para pretos, era um caso de falta de educação.

Este meu amigo disse que redarguiu para o grupo dos fiscais de educação: Ora, no verão infernal de Roma as pessoas entram na Fontana di Trevi. E o mesmo acontece na França, na Espanha, em Portugal… Foi perverso, muito perverso…

 

 

 

Posts relacionados:

Tags: , , ,